quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Melhor lugar para se viver do norte?

Na noite passada, dia 11.10, sai de casa por volta de 18:30 e como de costume, fechei a casa e fui ao meu compromisso. Por volta das 21:30, retornando para casa, logo na entrada, percebo que minha irmã e cunhado também estão chegando naquele momento. Entramos e tudo aparentemente estava normal, porém, após alguns minutos, ao entrar no quarto, percebo que a janela está aberta, mas por um minuto me questiono se fechei... logo em seguida percebo objetos espalhados na cama e pergunto a minha irmã se ela fez aquilo, e quando ela fala que não, percebo que a janela foi arrombada e o ferrolho quebrado. E que o notebook não está na mesa e nem uma pequena quantia de dinheiro na carteira. Além disso, outros objetos dos demais cômodos também estão faltando.

Bem, nessa situação o coração dispara e o seu primeiro pensamento é ligar para a polícia, os profissionais responsáveis por garantir a segurança da sociedade. E foi isso que fizemos, ligamos para o 190 por volta das 22 horas, e a atendente disse que como era furto, ela não poderia mandar a patrulha, ou seja, só se o bandido estivesse ainda na minha casa me esperando com uma arma e apontando para a minha cabeça é que possivelmente ela poderia mandar a patrulha! E se ele saiu quando chegamos, e se tivesse por perto? Bem, nunca iremos saber, a polícia tem mais o que fazer! Procurar bandido talvez não seja a prioridade.

A simpática atendente me recomendou ir a delegacia do tucumã fazer o B.O. Depois de eu muito insistir disse-me que mandaria a patrulha (que eu acho que chega até o natal). Depois de 1 hora de espera, fomos a delegacia, e como lá não tem delegado, só registramos o boletim. E como amanhã é feriado, e a delegacia NÃO abre (por favor bandidos, não nos assaltem em feriados), ela nos recomendou ir até a 5ª no Adalberto Sena, que lá poderíamos solicitar a perícia ao delegado e possivelmente os peritos iriam no outro dia examinar o local.

Foi ai que começou a parte interessante, o delegado não estava, saiu sem justificativa, sem substituto, ou seja, não é possível fazer nada, apenas dar meia volta, segundo o escrivão Tibério Isaias. Mas antes disso, ficamos sabendo que havia outra delegacia de flagrantes, a 1ª, na Cadeia Velha. Vamos tentar essa, mas antes, o mesmo escrivão resolveu ligar e descobriu que o delegado de lá saiu para jantar sem previsão de retorno. DESISTO, fui vencida pelo cansaço. O jeito é #XingarMuitoNoTwitter

Depois de postar nas redes sociais a minha indignação, resolvi mandar um torpedo para o nosso secretário de segurança pública Reni Graebner, falei na mensagem da ausência de delegados nas delegacias de flagrantes de Rio Branco, que um havia saído simplesmente e o outro estava jantando, e enquanto isso, o ladrão longe com as minhas coisas. Por fim, assinei como uma cidadã acreana que paga seus impostos e NÃO conseguiu ser atendida pela polícia de sua cidade. Meia hora depois o secretário respondeu ao meu torpedo, disse que falou com os dois delegados, Messias da 1ª e o João Ausgusto da 5ª, e que os dois já se encontravam nas delegacias, e que eu deveria procurá-los. Agradeci pela atenção, mas como já era 01:15 da manhã, expliquei que sai da delegacia as 23:36, e que não me sentia segura na minha cidade para sair novamente aquela hora de casa. Mas que ficava feliz por eles estarem de volta aos seus postos para atender as pessoas que procuravam ser atendidas naquele momento, mas que eu não tive a mesma sorte!

Bem, agora vou continuar a peregrinação, porque além de precisar encontrar algum delegado para assinar um pedido de perícia, ainda é preciso ir até a polícia técnica tentar convencer algum perito (que não vai chegar com sua maletinha coletado impressões digitais, tentando realmente resolver o caso como vemos nas series), a vir realizar o SEU trabalho o mais rápido possível.

É isso, estamos na melhor cidade para se viver do Norte, desde que você não precise da polícia! Desculpem pelos erros, mas como meu computador foi levado, estou escrevendo em um emprestado com teclado boliviano que não ajuda muito.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

SASI 2011

Voltando a escrever...

Quando eu sai para o mestrado, sem conhecer praticamente nada sobre pesquisa, publicação, eventos... percebi o quanto a área da computação no nosso estado estava distante dessa realidade tão rica e produtiva. E a medida que eu fui entrando nesse meio, comecei a pensar em formas de entusiasmar outras pessoas da nossa região a buscar essa realidade. 

Um dos pensamentos mais fortes era a realização de um evento. A surpresa foi perceber que não era só meu o pensamento, mas de outros professores do curso, de inúmeros alunos, profissionais... E nós realizamos o nosso evento, o Simpósio Acreano de Sistemas de Informação, um evento que me surpreendeu muito, pelo comprometimento dos palestrantes e instrutores, dos alunos organizadores, e pela participação de um público ainda tímido, mas que eu acredito que só venha a crescer.


Como todo projeto pioneiro, o SASI teve falhas, mas as lições aprendidas não serão em vão, tudo está registrado para a melhoria do evento no próximo ano. Mas para mim, foram mais acertos do que erros, tive o prazer de coordenar o comitê de programa do evento e fiquei muito feliz por contribuir com a parte científica do I evento científico na área da computação no meu estado.


Que venha o SASI 2012, que venham novas pesquisas, que venham novas palestras, que venham novos cursos, que venham novos debates, que venham novos conhecimentos!


See you :)

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Enade 2011

Estamos nos aproximando da prova do Enade 2011. A prova terá, em seu componente específico da área de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, 30 (trinta) questões, sendo 3 (três)  discursivas e 27 (vinte e sete) de múltipla escolha, envolvendo situações-problema e estudos de casos.

A prova do  Enade 2011, no componente específico da área de  Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, tomará como referencial os seguintes conteúdos curriculares:

I - Processos de Negócio:
a) visão geral sobre as áreas de negócio;
b) noções sobre modelagem de processos de negócio.

II - Gerência de Projetos:
a) Planejamento e acompanhamento de projeto de software.

III - Processo de Software:
a) modelos de ciclo de vida;
b) visão geral de modelos de melhoria de processo de software; 
c) metodologias de desenvolvimento de software;  
d) ferramentas, técnicas e ambientes de desenvolvimento.


IV - Engenharia de Requisitos:
a) técnicas para elicitação de requisitos;
b) identificação de requisitos funcionais e não- funcionais;
c) especificação de requisitos funcionais utilizando casos de uso;
d) técnicas para validação e gerenciamento de requisitos.

V - Análise e Projeto de Sistemas Orientados a Objetos:
a) conceitos sobre orientação a objetos;
b) modelagem conceitual com UML (Linguagem de Modelagem Unificada);
c) projeto orientado a objetos com UML;
d) projeto de interface;
e) arquitetura de software e padrões de projeto.

VI - Banco de Dados:
a) conceitos básicos de banco de dados;
b) modelagem e projeto de banco de dados relacional;
c) visão geral sobre arquitetura de SGBDs (S istemas Gerenciadores de Banco de Dados);
d) linguagem SQL para definição (DDL) e manipulação de dados (DML);
e) noções de gerenciamento de transações, controle de concorrência, recuperação, segurança, integridade e distribuição.

VII - Algoritmos e Programação:
a) lógica de programação;
b) estruturas de dados;
c) programação orientada a objetos.

VIII – Verificação e Validação de Software:
a) plano e casos de teste;
b) técnicas de teste;
c) tipos de teste;
d) revisões técnicas formais.

IX - Manutenção de Software:
a) conceitos de manutenção de software;
b) tipos de manutenção.

X – Gerência de Configuração:
a) planejamento da gerência de configuração;
b) controle de versão e geração de linhas de base;
c) controle de mudanças.

XI - Conceitos básicos de Redes de Computadores e Segurança da Informação

XII - Conceitos básicos de Sistemas Operacionais

XIII - Conceitos básicos de Arquitetura de Computador


XIV –  Matemática:
a) lógica matemática;
b) teoria dos conjuntos;
c) estatística aplicada.

XV - Legislação para Informática

XVI – Empreendedorismo

XVII – Aspectos gerais sobre ética e responsabilidade sócio -ambiental na área da Tecnologia da Informação.

Fonte: INEP 2011
Mais informações em: 

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Os 10 mandamentos da pesquisa

Como o tema “Pesquisa” muito me interessa, encontrei em um livro do Israel Belo de Azevedo (O prazer da produção científica: diretrizes para a elaboração de trabalhos acadêmicos), os 10 mandamentos da Pesquisa, e decidi compartilhar com os caros colegas leitores.

  1. Não cobiçaras o tema do teu próximo, porque a grama do teu vizinho não é mais verde.
  2. Não pesquisarás o que estás apenas na tua cabeça, a menos que o estudo seja precisamente sobre ela.
  3. Não investigarás tema sem fonte, porque tua tarefa é fazer os dois se comunicarem.
  4. Não te perderás em meio à falta ou excesso de planejamento, a menos que a tua genialidade te permita prescindir dele.
  5. Não desprezarás a rotina, porque ela pode te liberar para o exercício da criatividade.
  6. Não menosprezarás as normas, a menos que pretendas transformá-las.
  7. Não te julgarás incompetente, porque não o és, até prova em contrário.
  8. Não escreverás uma obra-prima, a menos que já estejas maduro para produzi-la.
  9. Não farás uma colcha-de-retalhos, porque és capas de um trabalho verdadeiramente intelectual.
  10. Não ignorarás o teus leitores, a menos que te aches mais importante do que eles.

Amém! :)

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Revisão Sistemática da Literatura

Todo aluno, seja de graduação ou pós, sabe o quanto é difícil realizar uma boa pesquisa. É necessário ter um grande domínio sobre o tema de interesse (muita leitura), ter um objetivo claro, buscar resolver ou encontrar respostas para um determinado problema, e por fim, ter um resultado satisfatório para apresentar. E tudo isso por meio de métodos científicos que pelo menos não invalide a sua pesquisa!

Um instrumento de pesquisa muito valorizado no meio científico nos últimos anos e uma boa opção para quem quer realizar um trabalho bem amplo e organizado é a Revisão Sistemática da Literatura (Systematic Literature Review – SLR, em inglês), muito comum na área da saúde. Uma SLR é bem diferente de uma revisão tradicional. Em uma revisão tradicional na literatura, a estratégia de pesquisa e critérios de avaliação dos resultados encontrados são normalmente escondidos do leitor, o que significa que a revisão pode muito bem ser realizada de uma forma não estruturada, ad hoc, e as evidências que não sustentam as hipóteses preferidas do pesquisador serem ignoradas. Já uma SLR, avalia as evidências de uma forma transparente e sistemática.

Segundo um dos primeiros trabalhos sobre SLR na área de software, de Barbara Kitchenham em 2007, "uma SLR busca investigar TODAS as pesquisas disponíveis referentes a uma questão de investigação particular, área temática, ou fenômeno de interesse". E um dos primeiros passos para a realização de uma SLR é a definição de um protocolo de pesquisa com todo o planejamento da revisão, que responda principalmente as seguintes questões:

• Quais são os objetivos da revisão?
• Que fontes serão pesquisadas para identificar os estudos primários? Haverá alguma
restrição?
• Quais são os critérios de inclusão / exclusão e como serão aplicados?
• Que critérios serão utilizados para avaliar a qualidade dos estudos primários?
• Quais e como os dados serão extraídos dos estudos primários?
• Como os dados serão sintetizados?
• Como os dados serão combinados e apresentados?

A primeira SLR que realizei, obtive resultados para 3 publicações, sendo 2 desses trabalhos apresentados em eventos fora do Brasil bem reconhecidos pela área, e ainda estamos aguardando a última revisão de um Journal. Isso mostra o quanto a comunidade valoriza esse tipo de trabalho (que dá bastante trabalho), e o quanto os pesquisadores podem acrescentar as suas pesquisas realizando uma SLR.

Bem, na internet pode-se encontrar diversos guidelines sobre o tema, eu sugiro pesquisar o  da prof.ª Barbara Kitchenham, grande referência internacional sobre o tema, e no Brasil uma boa referência é o Prof. Guilherme Travassos da COOPE/UFRJ. O meu ex-orientador de mestrado, Prof. Fábio Queda Bueno da Silva, também tem realizado boas pesquisas utilizando SLR's e sobre SLR's, e acredito ser uma boa referência.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Maratona de Programação

Ano passado, pela primeira vez participamos da Maratona de Programação, evento que acontece desde 1996. Demoramos, mas chegamos! E não fizemos feio, conseguimos bons resultados, e podemos muito mais! 


A primeira fase da competição contou com a participação de 432 times, 6 desses eram da nossa cidade, 3 times da UFAC e 3 da UNINORTE. Os 50 times mais bem classificados passaram para a segunda fase (infelizmente ficamos de fora), que foi disputada em Joinville. Um time da UFPE foi campeão e junto com outros times de outras instituições que tiveram excelente desempenho, disputaram a final mundial em Orlando. Uma equipe da China foi a campeã resolvendo 8 problemas, o melhor time do Brasil foi o da UFPE com 5 problemas resolvidos e o 27º lugar na competição.

A título de curiosidade, a UFPE foi campeã nacional em 2002, 2003, 2008, 2009 e 2010, e com 5 títulos, ganhou o troféu em definitivo. Desde o início do evento, em 1996, várias instituições almejam os cinco títulos, entre elas Unicamp, ITA, IME-USP e PUC-RIO. 

Qual seria o segredo do sucesso dos times da UFPE? Passei um tempo lá e posso afirmar, TREINO, MUITO TREINO é o diferencial. A Maratona é em setembro, em outubro eles já começam a treinar. Os sábados são dedicados a treinos e competições internas.


Bem, ficamos com o 1º e o 2º lugar na competição local. O troféu pode ser visto na sala da coordenação. Espero que no dia 17 de setembro possamos novamente ficar com esse troféu. Monte seu time, batize com um daqueles nomes bonitinhos e criativos (rs), treine bastante e principalmente, divirta-se resolvendo diversos problemas através de muita programação! :)

See you!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Querido orientador (parte 2)

Mais um textinho do site posgraduando.com que me trouxe algumas lembranças (rs), quem sabe você não se identifica também. :)


Meu orientador me ensinou hierarquia:
É porque eu acho que fica melhor assim e pronto.
Meu orientador me ensinou sobre antecipação:
Espera só chegar a sua banca que você vai ver.
Meu orientador me ensinou a ter paciência:
Envie o trabalho para o meu e-mail que assim que puder eu corrijo.
Meu orientador me ensinou responsabilidade:
Se você não vier ao laboratório todo dia, corto a sua bolsa.
Meu orientador me ensinou economia:
Vou passar para você fazer os orçamentos do meu projeto.
Meu orientador me ensinou redação:
Isso está muito ruim, é melhor reescrever tudo.
Meu orientador me ensinou sobre administração do tempo:
Você tem que terminar esses artigos até amanhã.
Meu orientador me ensinou didática:
Preciso que você dê uma aula no meu lugar amanhã.
Meu orientador me ensinou humildade:
Um dia você vai saber tanto quanto eu.
Meu orientador me ensinou sobre investimentos:
Os custos da publicação do artigo são por sua conta.
Meu orientador me ensinou sobre dedicação:
O que é que você faz da meia-noite às seis?
Meu orientador me ensinou sobre disponibilidade:
Atendo alunos somente com hora marcada.”
Meu orientador me ensinou sobre suspense:
Vou deixar para comentar o trabalho na sua banca.”
Meu orientador me ensinou a importância do descanso:
Você consegue terminar os resumos do congresso nesse final de semana?
Meu orientador me ensinou a compartilhar:
Vamos colocar os nomes dos meus outros orientados no seu artigo também.”
Have a nice weekend :) See you!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Vida Univesitária

Alguns gráficos que selecionei do site posgraduando.com sobre vida universitária. #Interessante :)



sexta-feira, 17 de junho de 2011

SBQS 2011

Depois de uma semana do fim do SBQS (Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software) que nesta edição 2011 aconteceu em Curitiba, resolvi falar um pouquinho sobre esse evento tão importante para a área. O SBQS é um evento realmente de muita qualidade, feito por profissionais de qualidade, por empresas, academia e governo que estão sempre buscando a qualidade dos serviços e produtos prestados, principalmente ligados a software, foco do evento.

A repetição demasiada da palavra qualidade no parágrafo acima foi proposital, e é MUITO frequente no evento, assim como, processo, modelo (o brasileiro mps-br principalmente), melhoria, maturidade, métricas, desempenho, testes, entre outros termos que envolvem qualidade de software. Tem horas que é preciso dar um volta na cidade (aproveitando para conhecer um pedacinho de Curitiba) para sentir saudade desses termos! rs

Mas realmente o SBQS é um evento diferenciado como diz Rodrigo Rocha, organização impecável (o preço ajuda), bons profissionais envolvidos, ambiente agradável... boas pesquisas, boas ideias, boas iniciativas, bons contatos. Assim como também Curitiba é uma cidade diferenciada, povo elegante, simpático, receptivo até certo ponto, um clima frio e excelentes lugares para passeio. Acho que é uma boa pedida para um passeio a dois: frio, vinho, fondue... mas como eu fui sozinha, fiquei só com a parte do FRIOOO!

Uma grata surpresa foi ver a UFPA e a UFAM em destaque no evento, muitas publicações dessas duas universidades do norte. Infelizmente estamos longe de conseguir isso aqui na UFAC, mas não é impossível, é só trabalhar para isso. Espero conseguir transmitir o espírito de pesquisador a alguns alunos, assim como a importância da pesquisa para a área e para o país. No atual cenário somos quase extraterrestres (a coordenação do evento falou na abertura: NOSSA, temos gente de todo Brasil, inclusive do ACRE!). Mas podemos mudar esse quadro com muito trabalho e tornando-nos mais presentes nos próximos eventos. Quem sabe assim eles não se acostumam com a gente. 

Ah, ano que vem o evento acontecerá em Fortaleza, ótimo incentivo para começarmos as nossas pesquisas heim! :)

See you!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

06/06/2011

Já que o blog é meu, o aniversário é meu, então, Parabéns para mim! :) rs

Eu não esperava passá-lo em Curitiba, longe de todos, mas aqui estou, no frio, participando de um Simpósio bem bacana, cheio de gente bacana, em uma cidade muito bacana.

Bem, eu chego no sábado em Rio Branco, então, quem quiser me dar um presente é só guardar! hahaha

Na verdade eu só queria um, mas na verdade mesmo, nem sei mais se quero!

Ah, estou fazendo 1/4 de século :O Poxa, ainda lembro dos meus 15 aninho! haha

See you! :)

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Comunicação Científica

“Fiz uma ótima pesquisa, vou mandar para o meu orientador ler e formar a banca para que eu apresente. Pronto, 3 professores irão ler e talvez algum amigo que esteja fazendo um trabalho semelhante. A minha ótima pesquisa ficará empoeirada na biblioteca. Todo o meu esforço será arquivado e talvez, quem sabe um dia, alguém leia e me cite em um novo trabalho.”

Infelizmente essa é a realidade de muitos trabalhos de graduação, aprovados por uma banca e nunca mais mencionados, pois nem sempre existe incentivo para a comunicação científica, o compartilhamento de pesquisas entre os membros da comunidade científica, tão importante para a criação e disseminação de conhecimento na sociedade.
Uma área só é considerada madura quando tem uma ampla literatura científica, demonstrando que muitas pesquisas foram realizadas e publicadas em diversos veículos como, periódicos, livros, anais de eventos, etc. Imagine quantas pesquisas importantes sobre alimentos, remédios, aspectos sociais, políticos e outros já foram realizadas e contribuíram com a nossa sociedade.

Na computação existem diversos eventos nas mais diversas áreas: Engenharia de Software, Qualidade, Gestão, Inteligência Artificial, Banco de Dados, Redes de Computadores, Realidade Aumentada, Computação Gráfica, Linguagem de Programação, Reuso de Software, Sistemas Distribuídos, Informática na Educação, Software Livre, Jogos de Computadores, etc.

Nessa próxima segunda, 6 de junho, começa o SBQS (Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software), um evento que reúne estudantes, professores, empresas, entre outros, para discutir assuntos relacionados a qualidade de software. Em paralelo ao evento tem alguns workshops como o Workshop de Gerenciamento de Projetos e o Workshop de Desenvolvimento Rápido de Aplicações.

Outras opções de evento que ainda irão acontecer esse ano são o CBSOFT que envolve diversos outros eventos e irá acontecer em São Paulo de 26 a 30 de setembro; e o CSBC (Congresso da Sociedade Brasileira de Computação) que irá acontecer em Natal de 19 a 22 de julho. Pena que o custo seja tão alto somando passagem, hospedagem, alimentação e inscrição, mas acredito que todos esses eventos e outros da área valem muito a pena!

See you! 

terça-feira, 31 de maio de 2011

Reflexão: Pela Metade

É possível amar pela metade? Viver pela metade? Sonhar pela metade? Fazer planos pela metade? Acreditar pela metade? Sentir pela metade? Ser feliz pela metade?

Mesmo que seja possível, nunca será o suficiente! As decisões nem sempre são as mais fáceis, mas devemos buscar sempre a nossa felicidade!

Como diz a minha amiga Rebeka Brito: O tempo não diz nada, o tempo apenas passa, e mostra as coisas, você é quem vai dizê-las!

See you

terça-feira, 24 de maio de 2011

Learn from it

Sábado assisti um clássico, o filme Rei Leão, pela 3ª ou 4ª vez. Bateu uma saudade do Simba (já tive até um cachorro com esse nome). O filme me fez lembrar de um curso sobre Gestão de Processo de Software que fiz em 2009. No curso a instrutora usou um trecho do filme que mostra um diálogo entre Simba e Rafiki para falar sobre a importância das lições aprendidas no processo de software, em como as equipes devem aprender com seus projetos anteriores (erros e acertos), e usar isso a seu favor. 


Pensando bem, esse diálogo não serve só pra software, podemos usar na nossa vida, no nosso dia a dia. O trecho, disponível em inglês no vídeo acima, fala principalmente: "Change is good but it's not easy (...) The past can hurt but you can either run from it or learn from it".

"Aprenda com seus erros e acertos"

See you! :)

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Alunos, orientadores e bancas

Na semana passada postei uma figura com os tipos de orientadores, hoje lembrei que os alunos da turma de Introdução à Pesquisa do semestre passado apresentaram uma figura interessante com os tipos de orientadores, alunos e bancas. Achei a figura no material dos alunos, porém não consegui encontrar a fonte, se alguém souber, posta nos comentários.

Acho interessante, além de tentar identificar os colegas e professores, tentar se identificar!

:) Have a nice weekend! 

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Faça a diferença

Nesta segunda encerramos o curso de extensão em desenvolvimento web, o curso foi ministrado voluntariamente pelo aluno do 7ª período Leandro Ferrarezi, que disponibilizou seu conhecimento e o seu tempo para ensinar aos colegas. Embora eu não tenha participado ativamente das atividades, escrevi o projeto que institucionalizou o curso, que iniciou com mais de 30 pessoas e finalizou com 10 alunos satisfatoriamente aprovados pelo instrutor Leandro.

Embora apenas 1/3 tenha conseguido chegar ao final com êxito, não vale a pena tentar entender a evasão (são muitos os casos e muitas as caras de pau), a iniciativa é louvável. Espero que outros alunos tenham essa inciativa de compartilhar conhecimento com seus colegas. A verdade é que "aprende-se muito mais quando se ensina", então, eu espero que ao invés de reclamar, de espernear, criticar, ações como essa sejam mais comuns. Então, faça a diferença!


See you!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Educação: o professor

Semana passada o Jornal Nacional exibiu uma série de reportagens sobre Educação, e na quinta falou sobre os desafios de ser professor.

Duas cenas ficaram na minha cabeça:
- Na primeira, o repórter está em uma sala de aula com jovens, e pergunta quem gostaria de ser professor. 2 “gatos pingados” levantam as mãos.
- Na segunda, o repórter em uma sala de aula com crianças faz a mesma pergunta e mais da metade levantam as mãos.

E ele pergunta no final: o que acontece nesse intervalo de tempo que faz com que aquelas crianças mudem de ideia? Uma profissão fundamental para o exercício de TODAS as outras, tão desprestigiada!

Infelizmente essa é a realidade, poucos querem ser e os que querem ainda enfrentam o preconceito muitas vezes da família e dos amigos. Você quer ser professor? Tem certeza? Vai ganhar mal e ainda aguentar aluno!

Numa breve consulta, descobri que o piso salarial dos professores está em R$ 1.187,97 para 40 horas semanais e o de um Engenheiro Civil em torno de 4.000,00. O último concurso do TRE pagava 4.000,00 para cargos de nível médio. Um policial militar ganha hoje em torno de 2.000,00.

Me desculpem os românticos, mas assim não tem vocação que se sustente. Qualquer concurso de nível médio paga o mesmo que muitos professores de ensino fundamental e médio ganham, isso o mesmo tendo passado 4 ou 5 anos em uma universidade.

E o professor deve estar capacitado, motivado, comprometido, ser paciente, atencioso e dar o suporte necessário para que o aluno escolha a sua profissão e tenha a capacidade de segui-la. Até porque, qualquer que seja, a formação será alcançada através de muitas aulas com professores!

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Telegrama

Como essa semana não deu tempo de escrever nada, irei ao menos postar uma musiquinha! rs



Essa música é tão singela, tão doce, fala sobre a alegria de ser amado (a). De como isso torna as pessoas mais leves e alegres. Trecho:

Hoje eu acordei

Com uma vontade danada
De mandar flores ao delegado
De bater na porta do vizinho
E desejar bom dia
De beijar o português
Da padaria...

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Para refletir: o idiota e a moeda

Conta-se que numa cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia. Um pobre coitado, de pouca inteligência, vivia de pequenos biscates e esmolas.

Diariamente eles chamavam o idiota ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas: uma grande de 400 RÉIS e outra menor de 2.000 RÉIS. Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.

Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos.

- Eu sei, respondeu o tolo. "Ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar minha moeda”.

Podem-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa.

A primeira: Quem parece idiota, nem sempre é.
A segunda: Quais eram os verdadeiros idiotas da história?
A terceira: Se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.

Mas a conclusão mais interessante é : A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito. Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas sim, quem realmente somos. 

O maior prazer de um homem inteligente é bancar o idiota diante de um idiota que banca o inteligente.